Projeto Paul Washer

1 08 2009

Acho que não precisa dizer mais nada.

Anúncios




Só alegria?

27 07 2009

alegria

Estes dias eu estava no ônibus e vi passar do meu lado um carro bonito, parecia ser do ano, não me lembro da marca, mas algo nele me chamou muita atenção, tinha um adesivo escrito: “Na vida com Jesus não há tristeza”. Eu parei, olhei, refleti e fiz o maior esforço para achar que era uma mensagem com um intuito evangelístico e tudo mais. Mas, realmente eu penso o quão hipocrita seria esta frase, não sei se sou crítico demais, mas este é um tipo de evangelho que tem se pregado e que não é verdadeiro. Quem foi que disse que os cristãos não sofrem? Quem foi que disse que a vida com Jesus é só alegria? Não tem derrotas? Não tem falhas? Não tem angústia? Quero saber quem foi que disse que a verdade não doi? Que para ser livre não é preciso renunciar certas coisas? Se até Paulo disse em 2Corintios 7:5 – Porque, mesmo quando chegamos à macedônia, a nossa carne não teve repouso algum; antes em tudo fomos atribulados: por fora combates, temores por dentro. Nós não podemos achar que nós somos super-heróis e que estamos isentos de tudo o quanto é tribulação de tudo o quanto é tentação por que servimos a Jesus. Mas, eu creio que quanto mais nós escolhermos a santidade, quanto mais decidirmos amar a Deus e obedece-lo, então mais seremos atribulados e mais seremos tentados. Mas que com a plena certeza, na nossa tribulação, na nossa angústia o nosso redentor virá e nos livrará, assim como Deus livrou Daniel na cova dos Leões. Se pararmos para pensar, tremendo era a angústia de Daniel, pois seria jogado na cova dos leões, a adrenalina era gigante, mas Ele confiou em Deus, e passou por essa tribulação confiando em Deus, que o salvou. Algumas pessoas podem ir contra o que estou falando, mas se somos cristãos, o nosso maior exemplo de vida é Jesus, o qual passou pela maior angústia e aflição aqui na terra, açoites, crucificação, morrer levando todos os pecados do mundo. Aquele mesmo que diz: “Pai, se for possível, livra-me deste cálice, mas que seja feita sua vontade.” Então, Jesus fez a vontade do pai, mesmo com tanto sofrimento, decidiu por obedecer a Ele. E agora eu pergunto para nós, qual é a tribulação que temos passado hoje? O que tem sido aquilo que tem nos tirado a paz, aquilo que tem nos confrontado? Entreguemos então a Deus todas essas coisas, por que se verdadeiramente Cristo vos libertar, verdadeiramente sereis livres, e conhecereis a verdade, e a verdade vos libertara. “Na minha angústia eu clamei ao Senhor e Ele ouviu minha oração.” Então, Deus está só esperando para que nós coloquemos tudo o que está nos incomodando diante dEle. Filipenses 4:6 – Não estejais inquietos por coisa alguma; antes as vossas petições sejam em tudo conhecidas diante de Deus pela oração e súplica, com ação de graças. fernandomatias -alternativa7





A maldição da culpa

25 09 2008

Um imenso número de jovens que sonhavam em obedecer completamente a Jesus, mas acabam se perdendo na inutilidade da prosperidade do mundo. A sensação constante de culpa e indignidade por causa de erros sexuais dão lugar, pouco a pouco, à falta de poder espiritual e ao beco sem saída da segurança e conforto.

Em outras palavras, existem muitos jovens que estão abandonando a causa da missão de Cristo porque ninguém lhes ensinou como lidar com a culpa que se segue ao pecado sexual. O problema vai além de não cair; a questão é como lidar com a queda para que ela não leve toda uma vida para o desperdício da mediocridade. A grande tragédia não são práticas como a masturbação ou a fornicação, e nem a pornografia. A tragédia é que Satanás usa a culpa decorrente desses pecados para extirpar todo sonho radical que a pessoa teve ou poderia vir a ter. Em vez disso, o diabo oferece uma vida feliz, certa e segura, com prazeres superficiais, até que a pessoa morra em sua cadeira de balanço, em um chalé à beira de um lago.

Hoje de manhã mesmo, Satanás pegou seu encontro das duas da manhã – seja na televisão ou na cama – e lhe disse: “Viu? Você é um derrotado. O melhor é nem adorar a Deus. Você jamais conseguirá fazer um compromisso sério para entregar sua vida a Jesus Cristo! É melhor arrumar um bom emprego, comprar uma televisão de tela plana bem grande e assistir o máximo de filmes pornográficos que agüentar”. Portanto, é preciso tirar essa arma da mão dele. Sim, claro que quero que você tenha a coragem maravilhosa de parar de percorrer os canais de televisão. Porém, mais cedo ou mais tarde, seja nesse pecado ou em outro, você vai cair. Quero ajudá-lo a lidar com a culpa e o fracasso, para que Satanás não os use para produzir mais uma vida desperdiçada.

Cristo realizou uma obra na história, antes de existirmos, que conquistou e garantiu nosso resgate e a transformação de todos que confiarem nele. A característica distintiva e crucial da salvação cristã é que seu autor, Jesus, a realizou por completo fora de nós, sem nossa ajuda. Quando colocamos nele a fé, nada acrescentamos à suficiência do que fez ao cobrir nossos pecados e alcançar a justiça que é considerada nossa. Os versículos bíblicos que apontam isso com mais clareza estão na epístola de Paulo aos Colossenses 2.13-14: “Quando vocês estavam mortos em pecados e na incircuncisão da sua carne, Deus os vivificou com Cristo. Ele nos perdoou todas as transgressões e cancelou o escrito de dívida, que consistia em ordenanças, e que nos era contrária. Ele a removeu, pregando-a na cruz”.

É preciso pensar bem nisso para entender plenamente a mais gloriosa de todas as verdades: Deus pegou o registro de todos os seus pecados – todos os erros de natureza sexual – que deixavam você exposto à ira. Em vez de esfregar o registro em seu rosto e usá-lo como prova para mandar você para o inferno, Deus o colocou na mão de Seu filho e pregou na Cruz. E quem são aqueles cujos pecados foram punidos na cruz? Todos que desistem de tentar salvar a si mesmos e confiam apenas em Cristo. E quem assumiu essa punição? Jesus. Essa substituição foi a chave para a nossa salvação.

Alguma vez você já parou para pensar no que significa Colossenses 2.15? Logo depois de afirmar que Deus pregou na cruz o registro de nossa dívida, Paulo escreve que o Senhor, “tendo despojado os poderes e as autoridades, fez deles um espetáculo público, triunfando sobre eles na cruz”. Ele se refere ao diabo e seus exércitos de demônios. Mas como são desarmados? Como são derrotados? Eles possuem muitas armas, mas perdem a única que pode nos condenar – a arma do pecado não perdoado. Deus pregou nossas culpas na cruz. Logo, houve punição por elas – então, seus efeitos acabaram! O problema é que muitos percebem tão pouco da beleza de Cristo na salvação que o Evangelho lhes parece apenas uma licença para pecar. Se tudo que você enxerga na cruz de Jesus é um salvo-conduto para continuar pecando, então você não possui a fé que salva. Precisa se prostrar e implorar a Deus para abrir seus olhos para ver a atraente glória de Jesus Cristo.

Culpa corajosa – A fé que salva recebe Jesus como Salvador e Senhor e faz dele o maior tesouro da vida. Essa fé lutará contra qualquer coisa que se coloque entre o indivíduo salvo e Cristo. Sua marca característica não é a perfeição, nem a ausência de pecados. Quem enxerga na cruz uma licença para continuar pecando não possui a fé que salva. A marca da fé é a luta contra o pecado. A justificação se relaciona estreitamente com a obra de Deus pregando nossos pecados na cruz. Justificação é o ato pelo qual o Senhor nos declara não apenas perdoados por causa da obra de Cristo, mas também justos mediante ela. Cristo levou nosso castigo e realiza nossa retidão. Quando o recebemos como Salvador e Senhor, todo o castigo que ele sofreu, e toda sua retidão, são computados como nossos. E essa justificação vence o pecado.

Possuímos uma arma poderosa para combater o diabo quando sabemos que o castigo por nossas transgressões foi integralmente cumprido em Cristo. Devemos nos apegar com força a essa verdade, usando-a quando o inimigo nos acusar pelas nossas faltas. O texto de Miquéias 7.8-9 apresenta o que devemos lhe dizer quando ele zombar de nossa aparente derrota: “Não te alegres a meu respeito; ainda que eu tenha caído, levantar-me-ei (…) Sofrerei a ira do Senhor, porque pequei contra ele, até que julgue a minha causa e execute o meu direito”. É uma espécie de “culpa corajosa” – o crente admite que errou e que Deus está tratando seriamente com ele. Mas, mesmo em disciplina, não se afasta da bendita verdade de que tem o Senhor ao seu lado!
Há vitória na manhã seguinte ao fracasso! Precisamos aprender a responder ao diabo ou a qualquer um que nos diga que o Senhor não poderá nos usar porque pecamos. “Ainda que eu tenha caído, levantar-me-ei”, frisou o profeta. “Embora eu esteja morando nas trevas, o Senhor será a minha luz.” Sim, podemos estar nas trevas da iniqüidade; podemos sentir culpa, porque somos, realmente, culpados pelo nosso pecado. Mas isso não é toda a verdade sobre o nosso Deus. O mesmo Deus que faz nossa escuridão é a luz que nos apóia em meio às trevas. O Senhor não nos abandonará; antes, defenderá a nossa causa.

Quando aprendermos a lidar com a culpa oriunda de nossos erros com esse tipo de ousadia em quebrantamento, fundamentados na justificação pela fé e na expiação substitutiva que Cristo promoveu por nós, seremos não apenas mais resistentes ao diabo como cometeremos menos falhas contra o Senhor. E, acima de tudo, Satanás não será capaz de destruir nosso sonho de viver uma vida em obediência radical a Jesus e de serviço à sua obra.

John Piper

fonte:www.sexxxchurch.com

jackbookDOTCOM_changeDate(’18:30′);

Não importa onde

Category: , By fernando777

Vamos imaginar que um pai e um filho foram viajar para uma floresta, e em meio essa floresta havia uma parte que tinha areia movedissa. Então o filho cai nessa areia movedissa, e vai afundando, e vai ficando cada vez mais sujo, morrendo aos poucos. Você acha que o pai, vendo o filho nessa situação faria o que? Ele vai e faz de tudo para que seu filho não morra, até mesmo daria a vida se necessário para que seu filho não morra. Assim acontece conosco, pois não importa onde estamos, muitas vezes nos encontramos em situações como essas, em que nós estamos cada vez mais nos afundando, em vícios, em situações e em diversas circunstâncias nos matam por dentro, e nós vamos morrendo cada vez mais. Mas Jesus vem e ergue a mão para nos buscar, para nos tirar das trevas para luz, para nos limpar e purificar de toda sujeira, de todo vicio, de todo pecado, Ele vem, e não importa onde estamos, e como estamos, ELE nos quer de volta, ELE quer que nós nos voltemos para ELE. Jesus está sempre de braços abertos, querendo nos perdoar e nos livrar de toda culpa, saia hoje mesmo dessa areia movedissa, pois agora mesmo ELE ergue a mão para te buscar, não importa onde.