Talentos ;)

30 09 2008

Todos temos dons e talentos dados por Deus para que usemos para sua glória, cada um tem o seu talento e seu dom, como vemos na bíblia, tres pessoas ganharam talentos,
mas uma pessoa não conseguiu nada com esse talento e foi reprovado, enquanto os outros dois multiplicaram seus talentos.
Como devemos usar nossos dons e talentos?
Devemos usar para que Deus seja glorificado por meio deles e nao para nos exibirmos, mas para sempre darmos glória a Deus por tudo o que Ele tem nos dado, as vezes, por termos pevados encobertos e por outras motivaçoes acabamos usando nossos dons para beneficio prório e exibições, como forma de ingratidão a Deus e não para o propósito  dEle em nossas vidas que é para usarmos nossos dons para que
pessoas através deles conheçam a palavra de Deus e o Evangélio de Cristo.
Nos dias de hoje, há tantas coisas que podemos fazer que alcancem as pessoas lá fora, então, vamos usar nossos talentos, para Deus, e não para satisfação própria, pois, Deus nos deu esses talentos.
Peguei a foto no site, http://www.6emeia.com/, que é de um cara que a gente conheceu no USINA21(evento cristão com várias oficinas), dêem uma olhada, é muito interessante.

Abraços, conte conosco.

Anúncios




Voltar

25 09 2008

“Oh, vocês que estão renunciando a Cristo, se vocês realmente são dele, vocês terão que retornar; mas não será uma jornada prazerosa para vocês. Não, de fato! Nunca foi, e nunca poderá ser. Ainda assim, Bendito seja o Senhor, que os constrange a fazer isso, mesmo que sendo árduo. É a mão que foi pregada à cruz, e o coração que lá foi perfurado por vocês, que agora lhes causa esse quebrantamento e os compele, com tristeza e vergonha, a voltar para Aquele que vocês deixaram.”.”Os cristãos vivem tentando modificar suas vidas. Deus, porém, nos chama a experimentar nova vida. O cristianismo não é um programa de desenvolvimento pessoal nem um projeto de reforma. Cristianismo é ressurreição! É vida nova que se expressa da perspectiva de uma mudança completa de identidade. Jesus Cristo se identificou conosco na sua morte para que pudéssemos nos identificar com ele na sua ressurreição. Entregamos a Cristo tudo que éramos – Cadaveres espirituais, pecadores culpados – E Cristo nos concedeu tudo o que ele é – uma vida ressucitada, o perdão, a justiça e a aceitação.”

As vezes é preciso voltar, voltar ao começo, e começar denovo.

Jesus disse, vinde como estás.
E aos que estão cansados Ele disse, vinde a mim e eu vos darei alívio.





Apenas “ficantes”

25 09 2008

De repente alguém chega para você e lhe pergunta: “E aí, cê tá namorando?”, ao que você, meio sem graça, responde: “É… bem… Tô e num tô ao mesmo tempo”.

Esta é a típica resposta daquele que está com alguém, mas não sabe definir o tipo de relacionamento que tem: se um namoro sério ou apenas mais um “ficante”.

O ‘ficar’ virou mania na vida de muitos jovens e adolescentes. E o pior é que essa mania chegou até às igrejas evangélicas. É freqüente observar rapazes e moças trocando de ‘ficantes’ com a mesma facilidade de quem escolhe uma roupa na vitrine.

O ‘ficar’ é um relacionamento sem compromisso, inclusive de fidelidade. Hum…! Aí está um dos causadores de decepções e ‘dor de cabeça’ para os ‘ficantes’: a infidelidade. É comum ver jovens chorando as mágoas de um relacionamento no qual não havia certeza de que iria continuar. Quando menos se espera você descobre que o seu ‘ficante’ está ‘ficando’ com outra pessoa. Confuso? Mas, infelizmente, é assim que as coisas acontecem.

Tão chato como descobrir uma infidelidade é descobrir que você está com alguém e esse alguém não decide o quer. Você deseja namorar sério, mas ele(a) fica lhe enrolando, não lhe assume publicamente, gagueja, faz rodeios, e sempre muda de assunto. Sem contar às vezes que ele ou ela dá um ‘chá de sumiço’, não atende ao telefone e quando resolve aparecer, conta uma história (desculpa) qualquer.

“O dossiê da ficada”

Não é de se espantar que, hoje, o ‘ficar’ é visto como algo normal pela maioria dos jovens, quer sejam evangélicos ou não. Por mais ensinamentos que a Igreja possa passar, moças e rapazes insistem neste relacionamento fugaz.

Recentemente a revista Capricho (edição 912) publicou uma matéria sobre o assunto. Por meio dela vê-se o que os jovens pensam a respeito. Capricho entrevistou 300 meninos e meninas de seis cidades brasileiras para participarem do chamado “Dossiê da ficada”.

Segundo a revista 82% acham que, para ficar, é só estar afim, não é preciso estar apaixonado; para 73%, a vontade de beijar é o suficiente para ficar com alguém”; 36% vêem o ficante como uma pessoa que pode virar um namorado; 34% disseram que o ficante é só um passatempo. E pasmem: para 56% dos entrevistados, é normal ficar com quantos der vontade numa mesma noite. Já as meninas de São Paulo (64%), Brasília (40%) e Salvador (32%) acham que a noite é de um cara só.

É mole ou quer mais? São mais de 20 páginas onde os jovens revelam o que está e o que não está liberado neste tipo de relacionamento.

Em setembro de 2002, uma reportagem realizada pela revista Eclésia (edição 81) já alertava para o perigo que rondava os jovens brasileiros, principalmente os evangélicos. Uma pesquisa elaborada entre os anos de 1994 e 2000, pelo Ministério Lar Cristão – um ministério que promove valores cristãos às famílias e aos jovens – e revelada por Eclésia, mostra que 52% dos jovens crentes transam antes do casamento, e a idade média da primeira relação sexual é de 15 anos; 17% das adolescentes acabam engravidando.

Os dados são assustadores, mas, infelizmente, as ‘ficadas’ continuam por aí. A coisa está tão feia e avançada que 64,5% dos entrevistados pela Capricho “acham que, se não for legal para você, a ‘ficada’ pode ser substituída por outra na mesma noite”.

O que dizer em meio a esta enxurrada de ‘rolos’ e onde tudo parece ser “tão normal”? Não se pode proibir aqui, que os jovens continuem a perder tempo com esses relacionamentos confusos e sem compromisso, contudo, pode-se deixar uma palavra especial: se os valores eternos de Deus estiverem fortemente guardados no coração de cada um, com certeza esse jovem terá mais facilidade para rejeitar os prazeres passageiros que o mundo oferece.

Guardei a tua palavra no meu coração, para não pecar contra ti. (Sl 119.11.)





Pecado X Graça

25 09 2008

Hoje eu vou falar sobre Pecado x Graça, ouvi uma pregação e recomendo para todos, vou colocar o link para download no final do texto.

O que é o pecado? Como surgiu o pecado? O que nós fazemos com os nossos pecados? Há muitas perguntas sobre o tema tão polêmico “PECADO”. Há várias definições de pecado, podemos dizer que pecado é errar o alvo, como também podemos dizer que é tudo o que nos afasta de Deus. Mas como assim, “eu sou uma pessoa boa, e procuro sempre fazer o bem para as pessoas”, então eu te digo que as obras não salvam ninguém, mas sim, a fé em JESUS CRISTO.

Mas de onde surgiu o pecado? (Gênesis 3:8-16)
Essa passagem diz de onde veio o pecado, e em romanos 1:24 diz mais, Por isso Deus os entregou à paixões vergonhosas(as quais seriam o pecado).
E ainda diz na bíblia que TODOS PECARAM, todos pecaram e estão destituidos da glória de Deus, por que o pecado consumido gera MORTE, e o lugar de pecadores é no inferno, então, a consequência lógica de nossos atos, nossas atitudes, seria ir para o INFERNO.

Mas então o que acontece?
Na antiguidade sacrifícios de animais eram feitos, tais para a purificação de pessoas, como para remissão de pecados.

Mas então, Deus enviou seu filho JESUS CRISTO que se fez humano, e que se fez sofrer aqui na terra, sofrer por nós, para morrer em uma CRUZ, morreu por todos nós e levou todos os nossos pecados consigo na CRUZ. Por que o salário do pecado é a morte, então Jesus Cristo se fez o sacrifício vivo e santo, e se entregou por nós, levando todos os nossos pecados. E nos oferecendo Graça e SALVAÇÃO.

Então, o que nós fazemos com os nossos pecados?
Estamos acostumados a encobrir nossos pecados, mas a Bíblia diz que aquele que confessa seus pecados será perdoado. Nós estamos acostumados a ir guardando pecado por pecado, ai vai acumulando, quando foi ver, aquilo já é um fardo que não podemos carregar. E a única solução é a Cruz.

Jesus Cristo não morreu pelo fato de existir milhares de pessoas, mas sim, pelo fato de existir o pecado. Já está na hora de nós começarmos a levar o pecado a sério, e não como uma brincadeira, por que muitas vezes nós ficamos “querendo ser tentados” para brincar de pecado. E muitas vezes nós damos 1000 nomes a atitudes nossas, mas negamos até o fim que aquilo foi pecado. Peça a Deus que lhe dê arrependimento sincero, e convicção de seus pecados.

Está na hora de nós pararmos de viver em paz com os nossos pecados, mas confessarmos e nos arrependermos.

Nada se compara a GRAÇA e a MISERICÓRDIA que JESUS CRISTO teve para conosco.





A maldição da culpa

25 09 2008

Um imenso número de jovens que sonhavam em obedecer completamente a Jesus, mas acabam se perdendo na inutilidade da prosperidade do mundo. A sensação constante de culpa e indignidade por causa de erros sexuais dão lugar, pouco a pouco, à falta de poder espiritual e ao beco sem saída da segurança e conforto.

Em outras palavras, existem muitos jovens que estão abandonando a causa da missão de Cristo porque ninguém lhes ensinou como lidar com a culpa que se segue ao pecado sexual. O problema vai além de não cair; a questão é como lidar com a queda para que ela não leve toda uma vida para o desperdício da mediocridade. A grande tragédia não são práticas como a masturbação ou a fornicação, e nem a pornografia. A tragédia é que Satanás usa a culpa decorrente desses pecados para extirpar todo sonho radical que a pessoa teve ou poderia vir a ter. Em vez disso, o diabo oferece uma vida feliz, certa e segura, com prazeres superficiais, até que a pessoa morra em sua cadeira de balanço, em um chalé à beira de um lago.

Hoje de manhã mesmo, Satanás pegou seu encontro das duas da manhã – seja na televisão ou na cama – e lhe disse: “Viu? Você é um derrotado. O melhor é nem adorar a Deus. Você jamais conseguirá fazer um compromisso sério para entregar sua vida a Jesus Cristo! É melhor arrumar um bom emprego, comprar uma televisão de tela plana bem grande e assistir o máximo de filmes pornográficos que agüentar”. Portanto, é preciso tirar essa arma da mão dele. Sim, claro que quero que você tenha a coragem maravilhosa de parar de percorrer os canais de televisão. Porém, mais cedo ou mais tarde, seja nesse pecado ou em outro, você vai cair. Quero ajudá-lo a lidar com a culpa e o fracasso, para que Satanás não os use para produzir mais uma vida desperdiçada.

Cristo realizou uma obra na história, antes de existirmos, que conquistou e garantiu nosso resgate e a transformação de todos que confiarem nele. A característica distintiva e crucial da salvação cristã é que seu autor, Jesus, a realizou por completo fora de nós, sem nossa ajuda. Quando colocamos nele a fé, nada acrescentamos à suficiência do que fez ao cobrir nossos pecados e alcançar a justiça que é considerada nossa. Os versículos bíblicos que apontam isso com mais clareza estão na epístola de Paulo aos Colossenses 2.13-14: “Quando vocês estavam mortos em pecados e na incircuncisão da sua carne, Deus os vivificou com Cristo. Ele nos perdoou todas as transgressões e cancelou o escrito de dívida, que consistia em ordenanças, e que nos era contrária. Ele a removeu, pregando-a na cruz”.

É preciso pensar bem nisso para entender plenamente a mais gloriosa de todas as verdades: Deus pegou o registro de todos os seus pecados – todos os erros de natureza sexual – que deixavam você exposto à ira. Em vez de esfregar o registro em seu rosto e usá-lo como prova para mandar você para o inferno, Deus o colocou na mão de Seu filho e pregou na Cruz. E quem são aqueles cujos pecados foram punidos na cruz? Todos que desistem de tentar salvar a si mesmos e confiam apenas em Cristo. E quem assumiu essa punição? Jesus. Essa substituição foi a chave para a nossa salvação.

Alguma vez você já parou para pensar no que significa Colossenses 2.15? Logo depois de afirmar que Deus pregou na cruz o registro de nossa dívida, Paulo escreve que o Senhor, “tendo despojado os poderes e as autoridades, fez deles um espetáculo público, triunfando sobre eles na cruz”. Ele se refere ao diabo e seus exércitos de demônios. Mas como são desarmados? Como são derrotados? Eles possuem muitas armas, mas perdem a única que pode nos condenar – a arma do pecado não perdoado. Deus pregou nossas culpas na cruz. Logo, houve punição por elas – então, seus efeitos acabaram! O problema é que muitos percebem tão pouco da beleza de Cristo na salvação que o Evangelho lhes parece apenas uma licença para pecar. Se tudo que você enxerga na cruz de Jesus é um salvo-conduto para continuar pecando, então você não possui a fé que salva. Precisa se prostrar e implorar a Deus para abrir seus olhos para ver a atraente glória de Jesus Cristo.

Culpa corajosa – A fé que salva recebe Jesus como Salvador e Senhor e faz dele o maior tesouro da vida. Essa fé lutará contra qualquer coisa que se coloque entre o indivíduo salvo e Cristo. Sua marca característica não é a perfeição, nem a ausência de pecados. Quem enxerga na cruz uma licença para continuar pecando não possui a fé que salva. A marca da fé é a luta contra o pecado. A justificação se relaciona estreitamente com a obra de Deus pregando nossos pecados na cruz. Justificação é o ato pelo qual o Senhor nos declara não apenas perdoados por causa da obra de Cristo, mas também justos mediante ela. Cristo levou nosso castigo e realiza nossa retidão. Quando o recebemos como Salvador e Senhor, todo o castigo que ele sofreu, e toda sua retidão, são computados como nossos. E essa justificação vence o pecado.

Possuímos uma arma poderosa para combater o diabo quando sabemos que o castigo por nossas transgressões foi integralmente cumprido em Cristo. Devemos nos apegar com força a essa verdade, usando-a quando o inimigo nos acusar pelas nossas faltas. O texto de Miquéias 7.8-9 apresenta o que devemos lhe dizer quando ele zombar de nossa aparente derrota: “Não te alegres a meu respeito; ainda que eu tenha caído, levantar-me-ei (…) Sofrerei a ira do Senhor, porque pequei contra ele, até que julgue a minha causa e execute o meu direito”. É uma espécie de “culpa corajosa” – o crente admite que errou e que Deus está tratando seriamente com ele. Mas, mesmo em disciplina, não se afasta da bendita verdade de que tem o Senhor ao seu lado!
Há vitória na manhã seguinte ao fracasso! Precisamos aprender a responder ao diabo ou a qualquer um que nos diga que o Senhor não poderá nos usar porque pecamos. “Ainda que eu tenha caído, levantar-me-ei”, frisou o profeta. “Embora eu esteja morando nas trevas, o Senhor será a minha luz.” Sim, podemos estar nas trevas da iniqüidade; podemos sentir culpa, porque somos, realmente, culpados pelo nosso pecado. Mas isso não é toda a verdade sobre o nosso Deus. O mesmo Deus que faz nossa escuridão é a luz que nos apóia em meio às trevas. O Senhor não nos abandonará; antes, defenderá a nossa causa.

Quando aprendermos a lidar com a culpa oriunda de nossos erros com esse tipo de ousadia em quebrantamento, fundamentados na justificação pela fé e na expiação substitutiva que Cristo promoveu por nós, seremos não apenas mais resistentes ao diabo como cometeremos menos falhas contra o Senhor. E, acima de tudo, Satanás não será capaz de destruir nosso sonho de viver uma vida em obediência radical a Jesus e de serviço à sua obra.

John Piper

fonte:www.sexxxchurch.com

jackbookDOTCOM_changeDate(’18:30′);

Não importa onde

Category: , By fernando777

Vamos imaginar que um pai e um filho foram viajar para uma floresta, e em meio essa floresta havia uma parte que tinha areia movedissa. Então o filho cai nessa areia movedissa, e vai afundando, e vai ficando cada vez mais sujo, morrendo aos poucos. Você acha que o pai, vendo o filho nessa situação faria o que? Ele vai e faz de tudo para que seu filho não morra, até mesmo daria a vida se necessário para que seu filho não morra. Assim acontece conosco, pois não importa onde estamos, muitas vezes nos encontramos em situações como essas, em que nós estamos cada vez mais nos afundando, em vícios, em situações e em diversas circunstâncias nos matam por dentro, e nós vamos morrendo cada vez mais. Mas Jesus vem e ergue a mão para nos buscar, para nos tirar das trevas para luz, para nos limpar e purificar de toda sujeira, de todo vicio, de todo pecado, Ele vem, e não importa onde estamos, e como estamos, ELE nos quer de volta, ELE quer que nós nos voltemos para ELE. Jesus está sempre de braços abertos, querendo nos perdoar e nos livrar de toda culpa, saia hoje mesmo dessa areia movedissa, pois agora mesmo ELE ergue a mão para te buscar, não importa onde.





O propósito do sofrimento

25 09 2008

Eclesiastes 3.1
A Bíblia afirma que (…) há tempo para todo o propósito debaixo do céu (Ec 3.1). Não há acasos; Deus tem um propósito para cada acontecimento. Sendo assim, nós não podemos imaginar que Deus não tem propósitos para o sofrimento. Nem mesmo o sofrimento humano acontece por acaso.1 –
PROPÓSITOS DO SOFRIMENTO ENTRE OS ÍMPIOS Manifestar o caráter santo de Deus Salmo 107.17 – Esse texto afirma que os ímpios serão afligidos por causa dos seus pecados. As dores e as angústias sobrevêm aos incrédulos como conseqüência das suas transgressões. Há pessoas que vivem com o coração longe de Deus, se afundam nas suas iniqüidades e que, quando sofrem, perguntam-se: “Por que eu tenho sofrido tanto?” Deus, por causa de Sua própria santidade, além de abominar o pecado não pode ficar impassível diante de práticas pecaminosas. Assim, Ele age permitindo o sofrimento àqueles que vivem na prática do pecado.Promover a prática da justiçaIs 26.9 – O sofrimento que Deus permite aos ímpios tem por objetivo levá-los a aprender a viver uma vida reta. Uma das maneiras de se levar uma pessoa ímpia a viver uma vida correta é aplicando-lhe uma penalidade. A manifestação da justiça de Deus tem um efeito saudável dentro da sociedade, pois as pessoas começam a andar em retidão pelo medo da “punição”.2 –
PROPÓSITOS DO SOFRIMENTO ENTRE OS CRISTÃOSLevar o crente de volta ao caminho correto Pv 3.11-12 – A dor é o “megafone” que Deus usa para fazer o “surdo” ouvir o que Ele tem a dizer. Quando estamos enfrentando dores e sofrimentos, devemos pedir a Deus para nos mostrar o caminho correto a seguir, para ajudar-nos em nossa conduta, fazendo-nos voltar para o caminho da retidão. Além do mais, é necessário compreender que esse tipo de ação permissiva de Deus (dor e sofrimento) não é sinal de que Ele nos abandonou. Pelo contrário, é sinal de que Ele nos ama, desejando nos levar a andar no melhor caminho: o caminho da vida.Desenvolver uma capacidade de compaixão pelos outrosII Co 1.4-5 – Esse texto nos ensina algumas verdades acerca do sofrimento: É Deus quem nos conforta no sofrimento – No mundo, nós, que somos cristãos, sempre vamos passar por tribulações (Jo 16.33). Todavia, com Deus esse estado de miséria é aliviado. Por essa razão, no verso 3 Deus é chamado de “o Pai das misericórdias e Deus de toda consolação”. Deus está sempre disposto e é totalmente poderoso para nos consolar e nos confortar em nossos momentos de angústia e dor.É Deus que nos capacita para confortar no sofrimento de outros – O sofrimento é uma excelente escola, onde aprendemos a consolar e confortar as pessoas da mesma maneira como Deus o faz. Nós, seres humanos, somos diferentes de Deus: Enquanto Ele conhece todas as coisas sem nunca as ter experimentado, nós só conseguimos aprender a fazer algo através da experiência. Nunca aprenderemos a confortar pessoas a menos que passemos pelo sofrimento e recebamos o conforto divino. Se o próprio Jesus teve de aprender a obedecer pelas coisas que sofreu, tendo de experimentar o sofrimento e a tentação para poder socorrer os que são tentados (Hb 2.8), quanto mais nós temos de aprender na prática sobre a consolação divina para podermos consolar os que estão sofrendo.Deus enviou Cristo para que a nossa consolação transborde por meio dEle – Paulo também aprendeu a glorificar o merecedor de todas as graças que recebemos de Deus. Como recebemos a capacidade de consolar, temos de aprender a glorificar a Cristo, porque toda a nossa capacidade de confortar é transbordada por meio de Cristo.Confirmar o valor da fé1 Pe 1.6-7 – O sofrimento é um meio que Deus usa para fazer o crente crescer na sua fé. Pedro diz que o sofrimento é comparado à ação do fogo – A ação do fogo é múltipla. Ele destrói, consome, aniquila; mas a Escritura cita o fogo aqui como um elemento purificador, um elemento que torna o objeto aprovado, aperfeiçoado, confirmado. O processo de confirmação de nossa vida em fé é comparado ao processo da depuração do ouro pelo fogo.Pedro diz que a confirmação da fé vem por uma gama de sofrimentos – O fogo é sinônimo de sofrimento causado pelas provações: passamos por ele e por meio dele somos confirmados em nossa fé. Os destinatários da carta de Pedro estavam sendo provados com aflições. Não haveriam de sofrer por muito tempo, mas estavam sofrendo para que o valor da sua fé fosse confirmado. O sofrimento tem várias manifestações: Deus permite várias formas para causar crescimento no meio do seu povo. Por essa razão, Pedro diz que os crentes seriam contristados (entristecidos) “por várias provações”. Esse teste de fé está longe de ser uma experiência agradável.Pedro diz que o sofrimento para a confirmação da fé vem quando necessário – Nem todos os cristãos que passaram pelo mundo experimentaram os sofrimentos dos quais Pedro falava. Por essa razão ele diz: “Nisso exultais, embora, no presente, por breve tempo, se necessário, sejais contristados por várias provações (…)”. A conclusão que se pode tirar dessa passagem é que nem todos sofrem, porque não é necessário que haja crescimento ou confirmação da fé somente por meio do sofrimento. O sofrimento não é algo inevitável ou necessário.Pedro diz que o sofrimento para a confirmação da fé não é longo – Mesmo que em certas ocasiões o sofrimento possa vir sobre os crentes, ele não permanece para sempre. Pedro diz que os crentes são contristados “por breve tempo”. O sofrimento é de duração limitada. Aliás, não podemos nos esquecer de que a duração curta da provação está em contraste com a alegria de que vamos desfrutar amanhã. Mesmo que o sofrimento dure a noite inteira, a alegria vem pela manhã.Aperfeiçoar o caráter cristãoRm 5.3-4 – Nesse texto, Paulo afirma que o sofrimento é um meio que Deus usa para aperfeiçoar o caráter dos cristãos. Mas, diferentemente da versão Revista e Atualizada da Sociedade Bíblica Brasileira, há outras versões da Bíblia que traduzem o texto de uma forma diferente. A palavra “tribulações” é traduzida como “sofrimentos”, “perseverança” é traduzida como “paciência” e “experiência” é traduzida como “caráter provado”. Assim: Paulo diz que os sofrimentos produzem perseverança – Na língua grega, a palavra “perseverança” pode também ser traduzida por paciência, persistência, constância. Essas são algumas características que se apresentam no homem maduro, que se mantêm leal à sua fé e aos seus propósitos mesmo quando está debaixo das maiores tribulações ou sofrimentos. Em geral, não crescemos quando estamos em plena calmaria de problemas. Em todos os ramos, o desenvolvimento aparece em hora de crise ou sofrimento.Paulo diz que a perseverança produz experiência – Essa é parte da reação em cadeia. Assim como os sofrimentos produzem a perseverança (ou paciência, ou constância, ou persistência), esta produz experiência. Na língua grega, a palavra “experiência” pode ser traduzida por “caráter provado”. A idéia é a de alguém que foi testado e saiu vitorioso no teste, tendo desenvolvido um caráter amadurecido pelos sofrimentos.Paulo diz que a experiência produz esperança – O sofrimento do cristão o conduz à perseverança, à firmeza, à constância e à paciência porque eles são conectados à esperança. Há alguma coisa no final que os faz levantar os olhos e crer na mudança dos acontecimentos. Para o cristão, o sofrimento é o ponto em que o poder da esperança fica cada vez mais claro, ligando o nosso presente ao futuro de vitória, porque para o cristão “os sofrimentos do tempo presente na são para comparar com a glória a vir ser revelada em nós” (Rm 8.18).ConclusãoQuando você estiver sofrendo pelas mais variadas razões, lembre-se de que você não é um desafortunado, mas um amado de Deus. Os sofrimentos pelos quais você tem passado são maneiras belamente estranhas de Deus fazer bem à sua vida.- Ele tem levado você de volta ao caminho dele, que é o caminho da vida, endireitando as suas veredas tortuosas. Se Deus não lhe houvesse mostrado o seu amor disciplinador, onde você estaria ainda?- Ele tem ensinado você a ter compaixão dos outros que sofrem.- Ele tem confirmado o valor da sua fé, por meios das tribulações pelas quais você passa.- Ele tem aperfeiçoado o seu caráter.





salvação1

25 09 2008
SALVAÇÃO É UM DOM GRATUITO ! Deus o ama e deseja que você saiba que a salvação não é pelas obras, é um dom. O caminho da salvação provido por Deus é receber a Cristo pessoalmente, confiando nele somente para nos salvar.Romanos 6:23: “Porque o salário do pecado é a morte, mas o dom gratuito de Deus é a vida eterna em Cristo Jesus nosso Senhor.” Não podemos fazer-nos “dignos” da graça de Deus. Salvação é um dom gratuito ao indigno, ao que não merece, e todos nós estamos nesta categoria. “Cristo morreu pelos ímpios” Romanos 5:6. Efésios 2:8, 9: “Porque pela graça sois salvos, mediante a fé; e isto não vem de vós, é dom de Deus; não de obras, para que ninguém se glorie.”

NECESSITAMOS DE UMA NOVA NATUREZA !

Deus o ama e deseja que você saiba que há somente um caminho para a salvação, e esse é mediante o nascer de novo. João 3:7: “Importa-vos nascer de novo.” João 1:12 diz-nos como. “Mas, a todos quantos o receberam, deu-lhes o poder de serem feitos filhos de Deus; a saber: aos que crêem no seu nome.” Aceitar a Jesus é a única maneira de nascer de novo. Não somos filhos de Deus por natureza. Devemos receber a Cristo a fim de nos tornarmos filhos de Deus.

Somente Jesus pode limpar os nossos pecados e mudar nossa natureza; 1 Pedro 2:24: “Carregando ele mesmo em seu corpo, sobre o madeiro, os nossos pecados.” Jesus tomou nosso lugar e derramou seu sangue a fim de nos lavar os pecados. Quantia alguma de “boas obras” pode lavar um único pecado ou trocar nossa natureza.

Salvação ocorre quando clamamos a Jesus, crendo, para nos salvar. Então ele entra em nossa vida e nos tornamos filhos de Deus com uma nova natureza. Embora a salvação não seja pelas obras, a salvação verdadeira sempre produz mudança de vida. Cristo entra mediante convite pessoal, como Senhor e Salvador para mudar nossa vida e viver sua vida por intermédio de nós.

A SALVAÇÃO É INSTANTÂNEA !

Deus o ama e deseja que você saiba que a salvação é instantânea. No momento em que nos arrependemos, que deixamos nossos pecados e nos voltamos para Jesus, ele nos salva. Como diz o hino: “Tal qual estou, eis-me aqui Senhor, pois o teu sangue remidor…” Cristo disse ao ladrão não batizado e não salvo, na cruz, (uma resposta instantânea de salvação ao clamor confiante do ladrão): “Hoje estarás comigo no paraíso” — Lucas 23:43. (Paraíso é o mesmo lugar que Paulo viu como o céu de Deus, 2 Coríntios 12:2-4.) Jesus garantiu a salvação de uma prostituta: “A tua fé te salvou; vai-te em paz” — Veja Lucas 7:50. Salvação instantânea!

A salvação inclui o aceitar a Jesus Cristo tanto como Senhor (Deus, Senhor, novo gerente de nossa vida) e Salvador. Envolve a crença de coração (o centro de nosso ser que rege, governa e escolhe). Romanos 10:9: “Se com a tua boca confessares a Jesus como Senhor, e em teu coração creres que Deus o ressuscitou dentre os mortos serás salvo.”

A SALVAÇÃO É SIMPLES !

Deus o ama e deseja que você saiba que a salvação é simples. Romanos 10:13: “Porque: Todo aquele que invocar o nome do Senhor, será salvo.” “O sangue de Jesus, seu Filho, [de Deus] nos purifica de todo pecado” — 1 João 1:7. Devemos, pessoalmente e com fé, clamar a Jesus para nos salvar. É assim que o recebemos. Se clamarmos assim, ele deve salvar-nos, ou Deus estaria mentindo, e Deus não pode mentir. Se Jesus nos amou a ponto de morrer para nos salvar, então desapontar-nos-ia quando invocássemos o seu nome? É claro que não! Deus o ama e deseja que você seja salvo. Você gostaria de receber Jesus como seu Senhor e Salvador neste instante? Eis uma oração que você pode fazer agora mesmo com todo o coração: “Senhor Jesus, entra em meu coração e em minha vida. Lava-me de todo pecado com teu sangue vertido. Faze-me um filho de Deus. Dá-me teu dom gratuito de vida eterna, e faze-me saber que estou salvo, agora e para sempre. Agora recebo-te como meu único Senhor e Salvador pessoal. Em nome de Jesus. Amém.” Jesus o salvou ou ele mentiu? Ele tinha de fazer uma das duas coisas. Segundo Romanos 10:13, se você invocou, crendo Nele, Ele o salvou e você está limpo de seu pecado.

A SALVAÇÃO É CERTA !

A pessoa pode saber que é salva não simplesmente pelo sentimento, mas porque a Palavra de Deus o afirma! Decore João 3:36: “Quem crê no Filho tem a vida eterna.” O que é que você tem neste instante, segundo a Palavra de Deus? Para onde você iria se morresse neste instante, segundo a Palavra de Deus? “(Porque andamos por fé, e não por vista). Mas temos confiança e desejamos antes deixar este corpo, para habitar com o Senhor”. (2 Coríntios 5:7,8) Se agora você sabe que Jesus o salvou, segundo sua palavra, por favor, tire alguns instantes agora e agradeça-lhe em voz alta o tê-lo salvo enquanto oramos. 1 João 5:13: “Estas cousas vos escrevi a fim de saberdes que tendes a vida eterna, a vós outros que credes em o nome do Filho de Deus.”

SALVAÇÃO É CRER !

Escolha crer em Cristo, com sentimentos ou sem eles, e Ele lhe provará Sua realidade à medida que você der o passo da fé, crendo que Ele cumpriu Sua palavra e o salvou. Três homens entram no mesmo elevador e querem ir para o sétimo andar. Um sorri, outro chora, outro tem o rosto impassível, sem emoções. Todos os três chegam ao sétimo andar, a despeito de seus sentimentos, porque acreditaram no elevador e se entregaram a ele. Assim também acontece com a confiança em Cristo — com sentimentos ou sem eles. Ele o salvará instantaneamente e o levará aos céus.

A realidade de sua salvação mostrar-se-á em sua reação de amor em obediência ao seguir a Jesus Cristo. João 14:23: “Se alguém me ama, guardará a minha palavra.” Se você realmente foi salvo, você obedecerá! Entre outras coisas, isto significa que você sairá da frieza espiritual e seguirá ao Cristo bíblico! A salvação verdadeira produz boas obras e obediência a Cristo Trabalhar pela salvação mostra incredulidade na suficiência de Jesus Cristo para nos salvar. Entretanto, a salvação verdadeira e a verdadeira fé, sempre produzem boas obras! Tiago 2:20: “Queres, pois, ficar certo, ó homem insensato, de que a fé sem as obras é inoperante?”

Macieiras produzem maçãs. Os cristãos verdadeiros produzem boas obras. As maçãs são produtos da árvore e provam que é uma macieira. Mas já era macieira antes de produzir maçãs. Da mesma forma, as boas obras nunca produzem um cristão; meramente provam que essa pessoa é cristã. De acordo com 2 Coríntios 5:17: “E assim, se alguém está em Cristo, é nova criatura: as cousas antigas já passaram; eis que se fizeram novas.”

Devemos ter a salvação a fim de demonstrá-la, assim como devemos ter o carro antes de podermos demonstrá-lo!

fonte: portalwebservos